sexta-feira, 29 de julho de 2011

Ultra-Romântico




Morrer! Até a morte me dá prazer,
Diante da presença de não te ter.
Ver-te indo-te embora
É doloroso por deveras.
Nada neste instante me consola
A dor que se me consome se assevera.
Navego num tempo de perdição,
Naquele tempo imaginário
Bendito amor neste coração!
Maldito relógio! Maldito horário!
Porque te levam para longe de mim,
Porque me trazem sofrer sem fim...


Marcos Alderico
27/03/2010
 

3 comentários:

  1. Querido poeta

    Não me canso de ler tuas palavras tão lindas e tão bem escritas, és um poeta magnífico e quando te apaixonas é simplesmente magia. Quem dera ter sido eu a tua musa inspiradora de tal paixão, avassalador único momento de amor, que marcou tua história e tua vida. Parabéns meu poeta de amor, és um encantador de gente, és minha única inspiração, eu te admiro e te sigo...

    Bom final de semana!

    beijocas

    ResponderExcluir
  2. O sucesso é construído de 99% de fracasso. (Soichiro Honda)
    …Mesmo distante, não esqueço deste “espaço” aconchegante!
    Obrigado por sempre estar presente…
    Paz e bem!
    www.lleandroaugustto.blogspot.com
    www.eu-e-o-tempo.blogspot.com
    Leandro Ruiz

    ResponderExcluir
  3. Cada poema aqui escrito, é um explosão de sentimentos. Parabéns!

    Nina

    http://www.devaneios-fragmentos.blogspot.com/

    ResponderExcluir