segunda-feira, 11 de julho de 2011

Aos Poetas



Aos poetas sobrou a solidão do mar
O torpe movimento de suas ondas
Que guardam o reflexo do brilho
Das constelações

Aos poetas sobrou o encanto da Lua,
A magia das flores,
A alegria das cores,
A agonia e os prazeres
Que dão sabor aos amores

Aos poetas sobrou um canto
Nas estantes das salas
E um suave sabor de eternidade


 



Marcos Alderico
19/11/1998
09:36h

Ps: Trecho do livro  “Pétalas ao Vento”, pag. 101, Seus Lugares.

4 comentários:

  1. Sempre desconfiei que sobrou o melhor para os poetas, por isso eles sao o que sao.

    Um abraco Marcos!

    ResponderExcluir
  2. O poeta é o magico dos sentimentos convertidos em palavras...mas que nunca são exatamente as que ele procura...
    Bji

    ResponderExcluir
  3. Marcos seu blog esta em homenagem aqui no meu cantinho.
    A esquerda do blog tem um mimo de homenageado
    ofereço com muito carinho,.
    beijos no coração Evanir..

    ResponderExcluir
  4. Tudo faz parte do cenário de um poeta...
    Lindo poema...
    Marcos,enviei um email para você,recebeu?beijo

    ResponderExcluir