sábado, 24 de junho de 2017



Resultado de imagem para patria brasil
O reflexo do dia na regata impressa no corpo
O trabalhador que se danifica e se dignifica
Na construção de um país que nunca existiu
Eu sou um futuro com todos os vícios do passado
Sou uma mentira em busca de alguma verdade
Eu sou o Brasil!
Eu sou uma sobra, uma cobra, uma obra de Cabral
Não sou mais do que uma sombra de Camões
Um grande vácuo entre o “ser” e o “estar”
Se perguntando como o futuro faliu.
Sou a quimera que espera
O adormecer da dor me ser misericordiosa
Miséria em cor-de-rosa travestida de esperança
Adormecida no calo das minhas mãos
Que erguem a clava enfraquecida dessa pátria
Abandonada à própria sorte...
E porque ela precisa de mim,
Entoo meu grito de guerra
E exijo: deixem a minha terra!

Que eu a amarei até o fim.

Marcos Alderico
25/06/2017
2:06h

terça-feira, 1 de novembro de 2016

sexta-feira, 12 de agosto de 2016


Café, pão e presunto
Tudo é assunto pra gente ficar junto
Quando a gente ama e quer ficar bem perto
Fico boquiaberto com o que dá pra inventar
O clima, os jornais, as notícias nacionais,
O mundo anda louco e a gente se ama mais.
Agora estou no trânsito e vejo a barbeiragem
E já temos assunto, pois estamos lado a lado.
Lá no supermercado peso, preço, qualidade.
Qual a marca do produto? Veja o lote e validade
Vamos até o shopping? Que tal ver um filminho?
A gente vive a vida,
A gente toma vinho
A gente nem tá aí pro que pensa o vizinho.
Cuidamos do jardim, amamos os animais,
Dizem que somos doidos
E a gente se ama mais.
A gente gira o mundo
E nem é vagabundo
É que tudo é assunto só pra gente ficar junto.
Orquídeas, artesanatos, um cachorro e três gatos.
Tudo é assunto quando a gente fica junto.

Marcos Alderico
29-07-2016
9:41

domingo, 20 de março de 2016


















Estou aqui e alhures,
No ontem que não veio,
No amanhã inesquecível,
Seja bonito ou feio.
Sou o folhetim de dor,
O cheiro sutil das flores,
O seu putrefar e fedor.
Sou a observação dos fatos,
A queda dos poderes,
A pedra nos sapatos,
A incerteza e o medo,
A aniquilação dos seres
Por sua própria moral.
Sou o fundo do poço
De quem me acha normal.
Sou o moderno e o clássico.
Sou a veia sangrando
Aveia e mel.
Sou o mundo mudando.
Mundano, sou o sagrado e o céu.
Sou a corrupção acéfala
E a punição lisonjeira.
Vejo o desvendar das trapaças
E o fim da sujeira.
Não tenho corpo nem forma
Nem nobre, nem escória
Sou cria do Tempo
...
Eu sou a História.

Marcos Alderico
20/03/2016

19:27h

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

O que eu esperava de você não era nada daquilo que você tinha para me dar.
Eu esperava que você me amasse,
Eu esperava que você fosse divertida,
Eu esperava que você fosse compreensiva,
Eu esperava que você me desse sua companhia.
Eu queria, até mesmo, que de vez em quando você dissesse que me ama.
Eu queria que nos déssemos bem na cama.
Eu queria que nunca se apagasse aquela chama.
E deu tudo errado.
Você praticamente me adora, cuida de mim como a um altar,
Você ri à toa, me faz cócegas antes de dormir, pula, brinca, gosta de cinema!
E isso ainda nem é o problema.
Mesmo naqueles dias em que eu estou irritadíssimo,
Você vem com aquele jeitinho todo doce, que eu adoro,
E me acalma, tornando-me inofensivamente dócil...
Mas, se eu tiver que brigar, você briga junto comigo, lado a lado.
Você nunca diz que me ama, é louca demais para isso.
Você grita para o mundo ouvir que o seu amor é “só pra mim”.
Faz da odisseia do nosso sexo, a epopeia desse amor doido, uma apoteose do prazer.
Um prazer inesgotável de viver ao seu lado.
Tudo isso para mim, que esperava tão pouco de você.

Marcos Alderico
10/02/2016
11:52

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Fiz-me duras palavras,
Gravei-me rude num rupestre escuro,
No fundo do meu eu-caverna.
Em minhas sombras, projeção das sobras
Do que antes foram obras-primas,
Reduzidas em pobres rimas em solitários madrigais.
Minhas madrugadas marginais encheram-se de limo,
Limão e uma aguardente vagabunda.
E a felicidade rompeu-se em espasmos de aurora,
Quando a Poesia trouxe o amor de volta para mim.
E esse amor, motivos para me reinventar.

Marcos Alderico
29/01/16

00:12

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015